21 abril, 2012

Lua nova no universo moral

    Servindo-se da Torá como ponto de partida, Jesus expandiu a lei na mesma direção, mais do que os fariseus ousaram expandir, muito além do que qualquer monge ousou praticá-la. O Sermão do Monte introduziu uma lua nova no universo moral que, desde o surgimento, tem exercido sua força de gravidade.
Jesus tornou a lei impossível de cumprir para quem quer que fosse e deposi nos mandou cumpri-la. Vejamos alguns exemplos.
    Todas as sociedades humanas da história tiveram sua lei contra o assassinato. Mas não surgiu nenhuma sociedade com algo parecido com a definição expandida de Jesus desse crime: "Eu lhes digo qe qualquer que se irar contra seu irmão estará sujeito a julgamento. Também, qualquer que disser a seu irmão: 'Racá', será levado ao tribunal".
    Todas as sociedades também têm tabus contra a promiscuidade sexual. Mas nenhuma sociedade jamais propôs uma norma tão rigorosa como Jesus: "Mas eu lhes digo: Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração. Se o seu olho direito o fizer pecar, arranque-o e lance-o fora. É melhor perder uma parte do seu corpo do que ser todo ele lançado no inferno".
    Já ouvi apelos pedindo a castração de estupradores em série, mas nunca ouvi uma proposta de mutilação facial devido à luxúria. De fato, a luxúria é um passatempo nacional estabelecido entre os americanos, celebrado em comerciais de jeans e cerveja, na edição anual dos trajes de banho da revista Sports Illustrated e nos vinte milhões de exemplares de revistas pornográficas vendidas a cada mês. "Como soa estranhos aos ouvidos modernos", disse John Updike, " a ideia de que a luxúria - o desejo sexual que brota em nós de modo tão involuntário como a saliva - é em si mesma perversa!".
    Contemplo essas e outras injunções rigorosas do Sermão do Monte e me pergunto como reagir. Jesus realmente espera que eu faça uma doação a cada pedinte que aparece em meu caminho? Eu deveria abandonar toda a insistência nos direitos do consumidor? Cancelar minha apólices de seguro e confiar meu futuro a Deus? Descartar minha televisão para evitar tentações de luxúria? Como será que eu poderia traduzir esses ideiais éticos no dia a dia da minha vida?

O Jesus que eu nunca conheci

Referência Bibliográfica:

YANCEY, Philip. Sinais da Graça - 22 de abril. São Paulo: Mundo Cristão, 2011. p. 135.